Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O cantinho das princesas

Falarei um pouco de tudo, desde a minha paixão pela arte das unhas, pestanas e maquilhagem, à minha luta contra o peso meu dia-a-dia, não deixando ainda de partilhar as minhas obras primas com a ajuda da minha amiga bimby :)

O cantinho das princesas

Falarei um pouco de tudo, desde a minha paixão pela arte das unhas, pestanas e maquilhagem, à minha luta contra o peso meu dia-a-dia, não deixando ainda de partilhar as minhas obras primas com a ajuda da minha amiga bimby :)

Sim, não estou desempregada, mas...

Quando digo que sou Engenheira num hospital público, é fácil toda a gente pensar que ganho rios de dinheiro.

Muitos acham que eu amo fazer unhas e que é um hobbie (não deixa de ter alguma verdade), mas senão fosse por precisar MESMO do dinheiro não me sujeitava a trabalhar 8 horas por dia no hospital mais 4 horas a fazer unhas, sábados das 9h às 21h a fazer unhas...

 

A triste realidade, que infelizmente me vou habituando e perdendo a esperança de uma situação mais digna, é que o meu ordenado é pouco mais que o ordenado minimo, os estagiários dos estágios do IEFP recebem mais do que eu.

Sou licenciada, tenho um mestrado e recebo uma miséria. Pior que receber uma miséria, é estar ao abrigo de uma empresa de trabalho temporário que lucra todos os meses 1000€ comigo.

Tudo o que eu quero, é que venha a porcaria da autorização da minha contratação. É assim tão dificil assinar a porcaria de um papel? 

Alguém percebe o quanto é frustrante, ter estudado (e sim eu estudei a sério) ter feito os meus pais gastarem milhares de euros com a minha educação para as auxiliares (atenção que não estou a julgar-me melhor que os outros, nem a dizer que o trabalho delas é menos digno do que o meu) ganharem mais do que eu?

 

 

Farta do casamento

Quem me acompanha à mais tempo certamente se recorda da administrativa que trabalha comigo, a M.

Bem, ultimamente anda no seu melhor, neste caso e para meu desespero no seu pior. 

Então ora bem, há 1 mês (ou talvez mais) que oiço que uma rapariga ia casar. Primeiro a preocupação era o que a filha dela ia vestir, e bla bla bla onde vai onde não vai... Depois as justificações porque é que ela não ia, perguntam voces o que é que eu tenho haver com isto, e perguntam bem, não tenho nada haver com isto! EU nem conheço as ditas pessoas, se bem que neste momento acho que os noivos já são tipo os meus melhores amigos 

Chegou o grande dia, e a M não se calava, e porque a mãe da noiva estava nervosa e a noiva não, e bla bla bla...

Na segunda-feira, já o casamento tinha sido no sábado, e eu a pensar que tinha finalmente acabado, eis que não! Agora é os relatos do casamento (diga-se ao qual ela não foi, mas fala como se lá estivesse estado). 

Hoje é quarta-feira... E não se cala com a merd* do casamento... Epa eu não mereço isto, estou tão fartaaaaaaa!

Alguém que feche aquela matraca... É um ano e meio a aturar isto 

Esta senhora faz de tudo para não trabalhar, tenho a impressão que este telefone deve ser o que tem maior horas de conversação do hospital... 

 

Neste preciso momento, estamos na avaliação da igreja e do quão está arrependida de não ter ido... E da lua-de-mel na républica dominicana... Alguém me salve disto sff  Até o riso dela já me enerva... Isto é muito grave...

Demasiadas aspirações

Eu sou daquelas pessoas com mil ideias e pouco dinheiro (muito pouco dinheiro)... Acho mesmo que saber não ocupa lugar mas a sabedoria infelizmente paga-se... Se alguém souber de patrocínios podem me indicar....

 

Formações que gostava de tirar:

  • Maquilhagem profissional (dream)
  • Mestrado / Pós-graduação em facility managment ou em engenharia de manutenção;

 

Formações que deveria tirar:

  • CCP - curso de formação de formadores;
  • Pós-graduação de segurança no trabalho...

 

Isto podia até ser fácil caso ganhasse um ordenado de gente (uma engenheira com mestrado a ganhar 640€ por mês é muita bom, o orgulho dos meus pais... --')...

 

Enfim contínuo a pensar que um dia hei-de ter dinheiro para poder ser uma pessoa mais culta e formada :/

 

 

Inutilidade - Afinal porque me contrataram? !

Estou a meio caminho de terminar o meu estágio e sinceramente ontém era tarde!!!

Estou farta de me sentir uma inútil, a minha vida é acordar Às 7h da manhã para me vir sentar em frente a um computador para não fazer nada durante todo o dia e ir embora às 17h... Não percebo, nem consigo entender o porquê de contratar alguém para não fazer nada?! Sei que é apenas um estágio profissional, mas não deveriam aproveitar esse recurso??!!

Acho que o pior que nos podemos sentir enquanto trabalhadores é inúteis, e eu estou a chegar ao ponto em que é uma tortura vir trabalhar, já não sei o que hei-de inventar mais para estar ocupada...

Nestes seis meses se trabalhei um mês foi muito... E é assim que se desperdiçam recursos neste país.

Estive eu a queimar pestanas durante 5 anos na faculdade para agora ser uma inútil inserida no meio da função pública (que na sua grande maioria são outros inúteis, pelo menos por aqui).

 

SOCORRO!!

 

Um dia na função pública

Estou a estagiar desde Outubro num Hospital Público, e como tal lido todos os dias com o pessoal da função pública (nada contra). O que acontece é que não fosse o facto de eu estar habituada a outros ritmos de trabalho até podia achar isto muito normal, no que toca à falta de vontade de trabalhar.

Vou aqui destacar um dia normal na função pública.

A administrativa "M" entra às 9h, aliás deveria entrar uma vez que no gabinete só aparece por volta das 9h10, a senhora liga o PC, faz não sei o quê e às 9h20 vai para o bar do Hospital "tomar o pequeno-almoço", ok concordo toda a gente tem direito a 10, 15 min de pausa. O problema (que por aqui não parece problema) é que a senhora só vem do pequeno almoço às 10h!! Ora, 10 min de passeio de manhã mais 40 minutos do pequeno-almoço faz 50 minutos de ausência no posto de trabalho.

Entretanto, são 10h06 e a senhora já se levantou para ir passear pelos corredores mais uma vez. Acredito que durante a manhã o faça várias vezes, inclusivé usar o telefone do serviço para ligar para as amigas a contar das novidades da filha "J" e dos gatos... Note-se que sou obrigada a reter todas essas informações, inclusivé acho que neste momento conheço melhor a vida da filha do que ela própria.

A hora de almoço supostamente é das 13h Às 14h, contudo mais uma vez às 12h40 fica um vazio neste gabinete sobrando eu, a estagiária. A hora de almoço prolonga-se até às 14h10/14h15.

Durante a tarde um pouco mais do mesmo, ou porque o primo está internado no Hospital, ou porque o ex-namorado da "J" fez isto ou aquilo, no meio de toda agitação ainda se ouvem umas reclamações de ter de ficar a trabalhar mais uma hora, de que recebe mal, de que não à condições de trabalho (eu relembro mentalmente que TODOS os privados trabalham 8horas diárias, não têm ADSE, e a maioria ganha o salário mínimo, e pior os pobres coitados não têm direito a passear por corredores e a horas de pausa indeterminadas). Um pouco antes das 17h, a d."M" vai tomar o chá, que eu acredito que se prolongue até perto das 18h mas como eu saio às 17h (porque entro às 8h) não posso comprovar. :P

 

Como tal só posso concluir que grande parte da função pública (conheço mais casos, aos poucos vou contando outras perípécias) está é muito mal habituada e reclamam enquanto são os últimos a poder.

Óbvio que não posso generalizar, conheço outros casos que são bem diferentes destas práticas, como é o caso do meu chefe por exemplo que trabalha mais do que 50 trabalhadores como a que descrevi.

 

untitledl.bmp

 

Bem está na hora de eu voltar ao meu trabalho, que neste momento é basicamente esperar pelo chefe... Uns sem querer fazer nada e eu a cortar os pulsos de tédio!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Redes sociais

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D